sexta-feira, 2 de setembro de 2011



                                                                   TREM

                                             ( Esboço de um Poema não Interpretado )

                                                                                     
                                                                                      Eulália M. Radtke
                                                                                               
                                                                                                ( Inverno de 2011 )


I

Nascia o Século XX.
Nos bolsos dos coletes
os medalhões anunciavam
a hirta palavra progresso.
É hora de lavrar caminho
singrar arrabaldes
nas mãos da sutil agrimensura
                         sem encharcos:
as gentes, fubá gado roupas madeira
não podem molhar.

II

Num rumo de rio
vertido longe
silenciosa alameda espreita
as águas os homens
em seus 179,8 quilômetros
é a serpentina de ferro e ferrugem
entre paisagens abissais
                        na serra do mar
campos cálidos
pontes vergadas de sono
túneis sem estrelas .

III

"Como era  verde nosso Vale!"
Num domingo ou feriado
aquela flor de metal
perfumava nossa juventude mansa
guiando nós sonhantes
a piqueniques de não esquecer.

Em meu canto de saudades secretas
ainda é sólidos nos ouvidos
a memória dos sons
                 os dolentes sinos da Catedral
                 e o anverso dos apitos desconexos
-- a eternidade fazia os minutos
   galopes incontidos no peito
   vapores deitando no Vale
   embalados entre ar e alento.

IV

Hoje,
o tempo, apenas mão suspensa na História
sobre a mesma terra sempre.

O sonho vertical fundiu
as cidades
e dormentes dormem sob relvas
asfalto ,esquecimentos.

São os desígnios
dogmáticos da vulnerável palavra:
                             modernidade
( assinada em março de 1971 )

Hoje
um girassol esparramado
guarda e aguarda
um renascimento de luz
ungindo o antigo neste Século XXI
de expectativas tão vária.
‎sábado, ‎27‎ de ‎agosto‎ de ‎2011


Nenhum comentário:

Postar um comentário