terça-feira, 1 de março de 2011

O PÃO DA MARCELINO NO SÍTIO DO SOL





3º POEMA CAMPESINO

                        Ed. Cadernos especiais -Tribuna de São josé
                        I

 E então era guerra
              coagulada no chão,
era água sorvida d’um tempo rude
sacrifícios e sonhos desprovidos
                                 de esperanças.


Então o sangue põe no vento
os enigmas mais sólidos
                                       da Galícia,
a linguagem pátria entre os panos
da mala, o pólem da  flor íntima
                             da última vesná,
quando no chão se alastravam as sementes
não o coágulo d’uma guerra
                                inventada e reinventada
                                (I e II Guerra Mundial)
Pelos dédalos dilacerantes de grandes senhores.

D’um silêncio adivinhado pa
                                            r
                                          tido
-como a corda retesada d’um violino desafinado-
secretam vozes nascidas
               de princípios:
                                  heranças
               cunhadas no suor do trabalho.
Agora os galeões eram
           a rima e o rumo,
agora  o inverno não chegaria
às estrelas
(como se fossem uma invenção humana)
nos vagarosamente distantes territórios
eslavos, polacos, húngaros
austríacos, russos e tantos.
À terra-mãe ucraína sem independência
marejava agora longe longe
sobre a  linha invisível do mar
tecida de peso  sonhos e esperanças
               refeitas
arquitetados por todo o corpo
                     dos galeões morosos
                     no rumo do ocidente,
                     na rota do sol tropical
onde desfraldar o pendão aceso
na casa interior de cada ser,
onde substituir  a folhagem morta
             ou fruto cortado pelo meio
                                      da História
                  deixada por ser escrita,
                        apesar das lágrimas.


                        II

Do oceano guardou-se  os dias,
      o cheiro dos viajantes
as vagas desconexas e temporais do medo,
     algumas perdas
     alguns planos
alguma canção cantada entre a morrinha do suor da
 aflição
e a tez do sonho.
Na bagagem,
alguns pedaços da família:
                                um retrato
                                uma aliança
                                papéis amarelados
                                medalhas
                                um cheiro mais querido d’um véu
                                                                      d’um lenço
                                      uma jóia
                                      um rosário
                                      uma bíblia
um relógio de bolso ou um violino em verniz desbotado
para marcar o tempo do coração longe
ou tecer o som da Nação-Mãe
onde o inverno não chegará às estrelas.

                       III

E então era Serra do Mar
-sendas rociosas quando um céu
                    varado de luzes-,
agrimensuras vertiginosas
              em abismos ressonantes
              -inquietos  olhos-d’água
               inquietos rios
                inquieto silêncio
aos pés d’algumas montanhas agregadas
num estirão da baixa
              onde  quase mar
              onde quase  nada
                                  pedra
                                  rochas
-impossível amanhar a terra.

Então os enigmas da Galícia
aventaram c’os ventos do Sul
                  arriando a caixinha dos mistérios
                  (onde sementes por germinar)
e fundar o “Reino Rutheno”.
Era então as sendas verdes
                      De Castelhanos,
caboclos espreitando raios de sol
flechas e pássaros de cores tantas
e o Rio São João lavando
     em c
            o
             r
              r
               e
                deiras e salgueiros in
                                                 cli
                                                    na
                                                        dos,
aterra prometida, agrimensada
pela Inspetoria Geral de Terras e Colonização.


Mas pássaros inquietos  migram,
migram das florestas insondáveis
                      - ali não formaria ninhal
                         criames
                         nem lenhadores
sob as espadas reluzantes dos gnomos tropicais.


E quando tudo virou trapézio
e desencanto
formaram-se asas e homens alados
num voo irreverencioso
                    dentro do tempo
                    - para não torna-lo coisa morta-
ou cactus vergados sobre a curva
                                   do caminho desconhecido.
No fio do facão
vencer agora as escarpas
-metade asa metade homem-
nos olhos,
o fogo da lavra
nas mãos o lenho da lida
                             e brotas,
                           ...brotar sim
                                      em outro chão.
Ainda que nas hastes
              da vida breve
-deste mundo de viver transitório-,
            velas flores choro
            e mortalha
fez-se trilha,fez-se covas
no átrio quieto da morte
             -o cemitério ucraíno
              na Colônia Santos Andrade.


                           IV

Ai...! invocar os poderes
        da estrela cadente
as forças ocultas -os mistérios da fé.
                            (Dizem um cavaleiro
                              túnica longa,salmos no missal
                              - um sacerdote de Deus-,
                              dizem os relinchos convergiram
                              a outro eixo:
                              cercanias da Faxina
                              Campestre, Espigão
                              Colônia Matos,Queimadas
                              Retiro, Rio  Abaixo
                                                     dizem)

Uma nota ouvida n’algum lugar
                                da Galícia
estendeu a toalha ponto em cruz
               como destino.
Numa paisagem agora quase idílica
cravar no corpo da terra latina
os esboços de um desígnio.

A língua é grave,
                          circunscrita.
E como os heróis d’um romance
                       ainda mais antigo,
ou uma toalha bordada
com significado de ventura,
além densos
         além dorso cansado
          além reza
          além dignos em Deus,
qual pêndulos ardentes de fé
           -obreiros artífices-
onde a esperança tornou-se o húmus
                             da lavra e da vida.

Então ali Marcelino
               ( o coronel)
Um empório fincado no chão
- na saga dos mantimentos
                          o escambo pelas terras
velhos donos pagando dívidas e apagando
dúvidas na caderneta sisuda do Coronel.

Então ali o ouro do trigo
hoje esquecido nos moinhos q’as águas
                                          não movem mais.

Ali a sagração da pedra fundamental
        dos Ritos Orientais ucraínos
        da Santíssima Trindade,
        ali os Ritos Latinos
        de São Pedro e São Paulo.
                                                                                

                          V

Dir-se-ia: trabalhar,
                trabalhar até o fim
                pois tudo é perecível
(onde as reflexões de um povo se desenvolvem
                por si num rito da natureza e das estações).

Sob o pinho resinoso
                      saído do entresseio da terra
murmurava agora um rio anscestral
                                                     de todos,
uma porção de magia empilhada em qualquer
lugar de fazer.

Na galheta ,o carmim  do vinho
                   sagrado,
a hóstia concebida dos céus
                    nas bocas silenciosas:
                      Sluchba Boyha   
                    -é domingo
                      dia especial
                      d’alma reverenciada .

Amassar o pão,
varrer o chão do tempo
        depois das noites caladas
        de ventos e espreitas,
porque o dia deita cedo
e todos se encerram breves ao sono.

Pudessem os olhos rutilar
todos os símbolos todos os signos
          do barro sob os pés
          d’um céu de luz sempre
          das águas caídas dos trovões
          dos entardeceres cinza-prata
quando as folhas outonais se amanham no chão,
           dos nevoeiros invernais
           aquecidos numa coberta de penas,

das primaveras(vesná)
de florescer a flor  primeira
onde as mãos também colhem a  segunda
                      (flor e talo)
entre abelhas de mel
e borboletas de arco-íris
-o ouro do campo arado, a camomila-

e dos verões de sol cálido,
quando as cobras varam galhadas e touças
farejando ovos:
                  e o joão-de-barro agita as asas
                  na cumieiras da casa,
                  as rolinhas catam sementes miúdas
                  os pardais bicam formigas voadoras
                  as gralhas ainda azuis
                                    ainda replantam pinheiros
                  a araponga de canto fino
                                    anuncia que ainda vive
                  o canário-da-terra alvoroça o dia
                                     por nascer.

Escolher o queijo,
ungir com manteiga
o pão de milho dourado.
À mesa:pirogue
             kutiá
             haluchki
             e bênção.

Na roça: pau-de-raposa
              quina-do-mato
              as lebres comem repolhos
               os tatus se guardam em trilhas subterrâneas
               as perdizes,
               fogem dos cães,lagartos e caninanas.

Taras Cheuthenko
              é o rosto da poesia.

João Baram retesa as cordas
              do violino
fazendo embrenhar na alma
a música da tradição,
                    os acordes da Ucrânia
-a distante mas presente e eterna Ucrânia.

E lá
bem mais perto do lago sereno
        onde a escola é   vida pulsante,
as Servas de Maria Imaculada
reduzem a dor e a solidão da velhice
predestinada
sob o manto terno de Nossa  Senhora do Amparo.

Porque antes, bem mais  antes
quando a pele lisa não conhece
                 estrias
e os ossos,músculos e carne
               são frutos por madurar,

a vaidade calça tiabot
e veste  sorótika –bartuchoc -charovare
              pítetika -plaxta
adornando com renda
para tornar reis e rainhas
            com a mística da vinotchok,

e deus abençoe a magia sonante
do Previt -Keno Kujil- Suchitka
                Kozatchok-Hopak,
porque a vida continua na lida
               porosa
e transpira e inspira
                e tornará a nascer sempre
                de sangue e raças

                ainda que muito longe das raízes
                                        ancestrais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário