domingo, 13 de fevereiro de 2011


          OLHO - D'ÁGUA


                       poesia juvenil


  






                           Nos beirais de aguapés
                           em ninhos molhadinhos
                                               peixe  nasce

VEIO E VERTE
         NA
RIMA DAS NASCENTES









                 
                         Num buraquinho da terra
                         ou numa rocha fendida
                                   tudo pode começar

































1


Ali areia e brilha
silêncio na terra é fundo
ou verte num racho de rocha
pulsando águas no mundo

É um som devagarinho
para ouvidos bem quietos
uma gota caladinha
só se ouve bem de perto

                                     Verte e vai veio e luz
                                      já é musgo limo verde
                                      risca trilha sinuosa
                                      q'homem nenhum produz












2

Descem folhas distraídas
num comecinho de rio
na garupa vão as formigas
também aranhas sem fio

Pedras lisas vão ficando
o barro sendo lavado
areias se amontoando
no leito agora cavado

                                     Veio aberto é longo e largo
                                      foi arroio também ribeiro
                                      vertente vertedouro
                                      filão e vertedura
                                      bebedouro de passarinhos
                                      e desova de muitos sargos














3

E se afunda e escurece
ali no abrigo dos ventos
as sombras se enchem de asas
quando plaina e corre lento

Outros vertem ao seu encontro
        em veios de alimento
juntam águas num mesmo rumo
feito  frutos  em  maduramento
  
                             Agora é canto é cachoeira
                             fala sem tempo vaga-lumes
                             deita grande num esporão de rocha
                                                 é  tororoma  na  clareira







4

A direção é fio de prumo
bica pedras levanta espumas
é queda e brilha inteiro
estende o canto e se avoluma

E se alarga e remansa
na planície se volteia
calmo e temeroso
lembrando cobra q'se enleia

                                  O que foi veio e verteu
                                  agora é rio e tem maré
                                  maré de lua e peixes grandes
                                  ninfas belas e mistérios
                                  entre lendas apareceu










      
A CURVA DAS ÁGUAS INCHADAS
                            NA
     LIRA  DA  COBRA  GIGANTE










                   Quando a maré empanturra

                   os homens dos remos e da voga
                   caturrando firmes nos cavos
                              comem os pecados da lua













Quem foi q'inventou
tal lenda de tão grande
q'aonde ela se passa
se acresce e se espande?
  
                                    Vem de longe?
                                    D'um remo de sol dourado
                                    de idade ancestral !
                                    Como d'ouro é a vida?
                                    Redondilha e abissal !

Foi longo e frio inverno
quando o rio adoeceu
as águas incharam tanto
que tudo envolta escureceu

                                     Vem de longe?






Uma aldeia construída
mergulhada bem na curva
bebeu todas as desgraças
daquele mar de águas turvas

                                D'um remo de sol dourado
                                de idade ancestral !

Era sexta-feira Santa
quando um boi ali morreu
um punhal bem afiado
abriu sangue e escorreu

                                 Como d'ouro é a vida?

Para marcar naquela história
o dilúvio q’ali chegou
no sangue do boi cortado
ninfa bela se lavou
                              
                                 Redondilha e abissal !










Foram dias e muita reza
pescador sem pescar
mas veio tira no céu dourado
num aviso d'água baixar

                                  Vem de longe?

Ninfa bela entristeceu
sua pele perdeu o viço
assim povo  d’aldeia
rendeu graças ao sacrifício

                                   d'um remo de sol dourado
                                   de idade ancestral !

Ficou velha em sete dias
encharcada de rugas feias
era sangue de boi agora
correndo quente em suas veias
                 
                                    Como d'ouro é a vida?









Nas mãos em concha  se guardou
lá no meio do baixio
era agora seu lugar
entre os segredos do rio

                                 Redondilha  e abissal !

Ao descer a névoa grossa
devagarinho sumiu
percebeu que sua vida
se tornara um grande rio

                                  Vem de Longe?

Quando foi de madrugada
lamento forte se ouviu
lá estava cobra gigante
nas areias do baixio

                                   D'um remo de sol dourado
                                   de idade ancestral !














povo crente entendeu
q’ ninfa serpente era
e muito sangue era preciso
pra tratar daquela fera

                          Como d'ouro é a vida?

Em coroa de lua cheia
sempre um boi deve morrer
correr sangue até o rio
pra serpente ali beber

                          Redondilha e abissal !

E nas sextas-feiras Santas
muitos corpos são lavados
em sangue quente e escorrente
de antigos bois sagrados






Quem foi q'inventou
tal lenda de tão grande
q'aonde ela se passa
se acresce e se espande?

                          Vem de longe?
                          D'um remo de sol dourado
                          de idade ancestral !
                          Como d’ouro é a vida?
                          Redondilha e abissal !















                                     O RIO ADOECIDO
                                                 NA
                          ELEGIA DAS ÁGUAS MORTAS













                                                                          
         Que versos ha de mudar
                 o curso deste rio?

     ( Paes Loureiro)

 














Venho de longe.
Do fundo mais distante,
lá onde a terra esconde
        quietamente
os diamantes os mistérios.

Nos versos dos poetas
sou poesia.
Em meu corpo
casa de peixes  e vida.

Me ensinaram mover
            moinhos
                 e
              movi,
me fizeram grandes
          caminhos
                 e
         navegaram,
me levaram às turbinas
           e fiz luz.

Mas quando uma cidade
se alastra
numa curva de mim,
é lá que adoeço
é lá que reside a dor.



2

Fogo também me fere
me queima e dilacera.
Se me desmatam
assoreio
e me incho
              e  entristeço.

Os homens não entendem
quando inundo as cidades.
Os homens não compreendem
quando rumo novo curso.
Os homens,
precisam das águas.
Dói saber que os homens
não percebem os sentidos
               das águas.

Penso que todo rio
haveria de guardar
em seu leito,
sob a flor dos igarapés
o dia limpo
na certeza das  águas:
                                       não a fétida calmaria
                                       do lodo
                                       sob os entulhos do lixo humano,
                                       não a solidão
                                       subjugada
                                       em nome da contemporaneidade.




3

para ser transparente
um rio não carece de
          decretos
         passeatas
               ou
propagandas oficiais.

Basta as árvores crescidas
nas margens
peixes
e flores.

Basta o homem abrir
o coração
sorver a relva úmida
e pensar rio.


4


Venho de longe.
Do fundo mais distante,
lá onde a terra esconde
           quietamente
os diamantes os mistérios.

Me ensinaram mover
           moinhos
                 e
             movi,
me levaram às turbinas
           e fiz luz,
me tornaram um grande
             esgoto    
                  e
               morri.

Mas nos versos dos poetas
sou poesia (ainda).
E na música dos inconsequentes
                                                e  rudes

               SOU MORTE
               SOU ELEGIA  









               OLHO D'ÁGUA TORNADO MAR
                                       NA 
                   CANTORIA DOS DEUSES                    












                                                       À renovação
                                             sobre asas de mar
                                                 abertas no chão
                                                             chega rio
                                           na rota das estrelas













                                         



A  CANÇÃO  DO  ESTUÁRIO


1

Lá vem rio de curso
            longo,
vem mais fundo
vem quieto,
            parece tão embirrado !

Vem chegando caudaloso,
vem undoso
e manchado,
            cadê os aguapés ?

Rio umbroso e solidão,
vem mestiço
e zangado,
           cadê os nhacundás
           os amorés
           e jundiás?

2

Lá vem rio
             d'um olho d'água
feito lira nadança
da cobra

concisado nas estações

pra morrer adoecido
na fala triste das
                       elegias.


3
Chega  rio de longe terra
                  n     o               e
                 i   u s               n
               s      o    venta      i
                                                r
                                                  o
                              v
                             e
                               r
                                 t
                               e
                              b
                                r
                                 a
                                  l  e matizado

vem deitar no estuário
pra riscar linha imprecisa
como a que separa as
                                          águas
               dos homens e da terra

ungir os veios mortos
(sob a ária dos mutuns)
do canto mais puro e frio
ao sol mais cru de Netuno.

                 RIO E SAL
                      MAR
                 AGRIDOCE.







O MAR DE TODOS OS RIOS

1

Das areias e marinas
           do mundo
            num cochicho
                                de
                   alaga-mar
estende o canto
                      num  rumo de fala
ainda mais que um espia.

Num urro das ondas
num cômoro
troveja no vazio d'areia
e solta o recado na brisa.

Nas sendas de agora mar e
                                                  f
                                                  u
                                                  n
                                                  d
                                                  o
brilhado em escamas douradas
um velho
        velho  de  velho
        também brilhado
        de luz.

Dos mares e marés
          do mundo
lavando vidas e terra
trançado em rimas e sal
recolhe pro reino das lendas
estórias de homens e almas.

2

O velho
    velho de velho
de olhos ainda
    em viço
de mãos em calos
    e firmes
de vida encharcada
    de mar

espia ventos e uivos
na reza do peixe pescar.

3

Lá fora no inchume
           do mar
Canoeiro queima de sol
undívago a vela tesando
em seu barco coberto de limo.

Sobre o casco tecido
          de ostras
timão firme no punho
                      pra onde Canoeiro  vai?
Pra Ilha das Águas Mudas
onde o sol de tão amarelo
     faz nascer pássaros
           dourados.


4

Só Canoeiro conhece
            a lida
o segredo e a sina
da ilha escondida.

O povo da pesca
pensa com medo
em almas perdidas

contam que choram
no fundo escuro
                 d’uma caverna
bem na goela espumante
d’uma pedra pontuda.

Então aparecem no meio
         das ondas
montadas num tronco
    não sei da onde
todo rachado e comido
pelos dentes compridos
           e afiados
     das almas famintas.


5

Canoeiro velho segue
           cantando
                
onde só gritam pássaros
        cheios de fome,

a solidão amarrada
         ao punho

           eterno
       como o mar
  em seu assombro.

As gentes da pesca
   sofrem no medo

se lavam de arruda
se pintam de alho

dizem que as almas
não temem os ventos
nem a cara sisuda
dos espantalhos.


6

Foi um velho veleiro
          afundado
bem no rumo da ilha

onde os anos do tempo
           indomado
    criaram sem piedade
almas penadas e pássaros
            aleijados.

Que silêncios foram aqueles
       no escuro profundo
                  do mar?

Os anos  das luas negras
bem no começo da História

quando as gentes ainda
            pensavam
que as almas são estrelas
            luminosas.


7

Antes era na Ilha
                      dos Aflitos
onde o medo grande
nascia
arrepiava se espalhando
         pela enseada
  pra eterna insônia
         dos peixes.

De dia
rondavam barcos
de noite
afogavam estrelas
                             c
                               a
                                  d
                                     e
                                       n
                                         t
                                           e
                                             s

quando chovia
                   i
                 o a                    n
                b    vam  nas  o   das
depois se guardavam
     no sal d’areia.



8


Numa lua de coroa
        bem cheia
chegou velha Benta
de rosário em punho

benzeu sete vezes
os cantos da ilha

deitou erva-santa
alecrim e benjoim

queimou chifre de bode
     rabo de sereia

e num gemido ardente
             e rouco
entrou no mar e
                  desapareceu.



9

Aquela desgraça
povo não entendia

era alma demais
para tanta agonia.


10


Mas outra desgraça
      ainda chegou
quando a lua estufou
              maré
  num risco surgido
    além das águas

      vinda talvez
      dos templos
das humanas labaredas.

A onda em bolhas estorou
numa alma gasta e torcida
       que havia morrido                        
           com raiva da vida.                                                                                
  
     Foi um custo povo atinar
                      q’alma
      é vento em corpo d’água

que morte é trilha de estrelas
       bem perto dos ventos                              
                    das almas


11


A casa do sol
é sempre infinito

as gentes do mar
são feitas de asas.

Lua gorda bebe
almas
também névoas de
                       ardentia

faz uivar cão danado
renova ondas caladas
na multiplicação das
                    espumas.






12

Já tinha sombra
      da noite

um céu furado
      de luzes

guaiás riscando
        areia

quando a lua arranhou
           outra alma
lá pros lados das águas
            mansas.

O mar rugindo
                nos cômoros
 o povo escutando
                    na  terra.

Cadê velha Benta
que não vem em hora                    
dessa?

13

Lá vem corpo estirado

boiando nas vagas
e afundando nos cavos

é Canoeiro ferido
          de sol

como um anjo ferido
      de estrelas.

O mar foi mais forte
     em seus fundos
                        e assombros.




14

O povo em reza
o corpo acostando


no dia chegando
de sol espiando

tristeza n’aldeia
Canoeiro morrendo.

Na fúria do sol
no silêncio das feridas

um grito profundo
de desacordar mundo.

E assim foi povo
orando
fazendo prece pra Deus
de tudo

mas o velho
         de velho
de alma ainda agarrada
        continuou mudo.

Quando a fala do mar
            aquietou
e maré foi abaixando

o velho
de velho
se embolou num berro
de dor
de rasgo mais fundo

era sua alma bem
          fininha
que virou vela no rumo
       dos ventos.


15


Quando a alma partiu
pra legião dos anjos


a falação das águas
levantou mais forte

de sete em sete
quebraram as ondas
                         n’areia

os peixes brilhantes chegavam
                  tontos
       numa briga de estouro
                       e
           encharco de mar.

16

São
os mares e marés
         do mundo
lavando vidas e terra
trançado em rimas e sal
recolhendo pro reino das
                                     lendas
estórias de homens e almas.

Pescador tem reza
                         forte:
o peixe posto na mesa
e o sonho aposto no peito.

Sempre que houver
uma jangada ou barco
   no mar,
   na areia
   estirada
um rastro de suor e vida.

E enquanto existir homens
                 no mar,
         um pensará peixe
         outro peixe verá
                     
                     e

   um raio de sol levará
      todos nos ombros.

Mas haverá indefinido
    e poderoso vento

        vem de longe
        vem de  ronco
vem do rumo dos perdidos
         venta forte
         e arrepia
venta musgo e visco azul
pra deitar manso
          e terno
na cantoria dos deuses.



17

Veio

veio de longe
das entranhas da terra

um
olho d’água
tornado mar.







                                     


                                 

                                       







                                  

Nenhum comentário:

Postar um comentário