domingo, 20 de fevereiro de 2011

INTERLÚDIO PARA OS DEUSES ADORMECIDOS

OU ÁRIA LATINA
SOB O MANTO DE HUITZILOPOCTLI
E A MORTE DE QUETZALCOATL

Eulália M.Radtke  
Do livro Lavra Lírica -ed. Cultura em Movimento-2000

                                          
Eu canto em dor
A dor doída dos homens
                                    sem rostos
a dor dos homens escondidos
na canção do exílio

Canto os ébrios
              os vagabundos,
canto os bandoleiros
em pueblos,
assim os coiotes dos Lhamos
desérticos de Chihuahua
e os párias dos guetos sujos
das grandes capitais.

Canto Pancho
canto Villa,
canto Zapata
terra
e liberdade.

                                 E cantarei sempre
                                 Wladimir
                                  Wladimir
                                 Herzog vou cantar.

Eu canto pelos  homens
de raízes
de Zacatecas a Tierra Del Fuego

Canto pelos dramas
Dos sem-terra
De Yucatán a Montevidéu,
E meu canto não endurece
Ao ouvir os repiques do
                    Sino de La Demajagua.

Canto as Locas de Maio
canto José Martí
               Teresa Casuso,
canto por La China
_guerrilheira sem tortillas


                               E cantarei sempre
                               Wladimir
                               Wladimir
                                Herzog vou cantar.


Eu canto pelas flores mortas
                              Em Morelos,
pela Rua 57 em Goiânia
e o estigma dos caixões de chumbo
sob a terra e a História .

Canto pelos homens
decentes,
por Benito Juáres
       Chico Mendes
        Tiradentes
e todos aqueles que preservaram
o senso.

Canto a esperança
a violência aprendida
                   e apreendida.

                                    E cantarei sempre
                                     Wladimir
                                     Wladimir
                                      Herzog vou cantar.


Eu canto pelas cinzas
das queimadas
pelo canto do pássaro
                          flechado
na densa mata derrubada.

Canto os soldados
os loucos
os mágicos
e os ladrões de tabuleiros.

Canto a revolução da flor
No verso murcho do poeta
                            campesino.

                          
                              E cantarei sempre
                              Wladimir
                               Wladimir
                               Herzog vou cantar.

Eu canto 1964
( o brasão brasileiro sem dignidade}
e canto o grande rio de pranto
das famílias dos  desaparecidos.

Canto o ouro
esmola,,
o negro sob a igualdade
                             mentirosa
e me nego a cantar
                             as folhas verdes
nas  sendas do crime organizado.

Canto o século XX
dos desmandos  
 e desencanto o pântano
                          dos generais.

                                  E cantarei sempre
                                  Wladimir
                                  Wladimir
                                   Herzog vou cantar.

Eu canto os velhos
dos arrabaldes,
 a miséria dos templos dem
                                              olidos
e esqueço na dor o braço de Obregón
e a inteligência norte-americana
                                  de Dan Mitrione,
que utilizou mendigos brasileiros
para adestrar os corvos da polícia.

Canto o sol no decreto
das carabinas,                        
os agrimensores da terra
                                  da esperança,
-as jardas dos sonhos-
e esqueço a melodia das patas
dos grandes cavalos de tróia
deflagrados nas praças de corações
                                          latinos.

                                          E cantarei sempre
                                          Wladimir
                                          Wladimir
                                           Herzog vou cantar.

E enquanto a palavra
for alento e exaltação  
.                  em minha garganta,

eu cantarei(ainda e sempre)
mil canções de guerra e paz.

E nos elegantes jardins
dos Palácios governamentais,
sobre uma enigmática coluna
 um anjo abrirá suas asas douradas

e cantará a elegia dos homens
sem rostos

enterrados sob os equívocos
da
História.

Nenhum comentário:

Postar um comentário